sábado, 23 de setembro de 2006

As ilhas afortunadas
















Que voz vem no som das ondas
Que não é a voz do mar?
É a voz de alguém que nos fala,
Mas que, se escutamos, cala,
Por ter havido escutar.
E só se, meio dormindo,
Sem saber de ouvir ouvimos,
Que ela nos diz a esperança
A que, como uma criança
Dormente, a dormir sorrimos.
São ilhas afortunadas,
São terras sem ter lugar,
Onde o Rei mora esperando.
Mas, se vamos despertando,
Cala a voz, e há só o mar.

Autor: Fernando Pessoa
In "A MENSAGEM"

2 comentários:

antonior disse...

Olá, Maria.

Linda essa fotografia da fronteira onde o Mar encontra a terra. Essa terra que não conheço mas sei bela.
Privilégio, que acredito ser, viver nela.

Beijos

Maria Costa disse...

Boa selecção poética.