quinta-feira, 12 de outubro de 2006

Mais uma vez ... Outubro


De amor nada mais resta que um Outubro
e quanto mais amada mais desisto
quanto mais tu me despes mais me cubro
e quanto mais me escondo mais me avisto.

E sei que mais te enleio e te deslumbro
porque se mais me ofusco mais existo.
Por dentro me ilumino, sol oculto,
por fora te ajoelho, corpo místico.

Não me acordes. Estou morta na quermesse
dos teus beijos. Etérea, a minha espécie
nem teus zelos amantes a demovem.

Mas quanto mais em nuvem me desfaço
mais de terra e de fogo é o abraço
com que na carne queres reter-me jovem.

Autor: Natália Correia

4 comentários:

Maria Costa disse...

Foi agradavel reler hoje aqui este poema. Boa semana.

aprendiz de viajante disse...

Gostei tanto de conhecer alguém que mora tão perto de mim...

Se moras na relva, o ano passado passava todos os dias por lá, a cominho dos Ginetes, onde dei aulas.

Gostei muito do teu blog.

Não vou perdê-lo de vista.

Um bjo

Xuinha Foguetão disse...

Gostei muito da foto...

Beijocas grandes

Guida disse...

Lindas as tuas fotos!!!!!!!!!
Lindos os poemas!!!!!!!!!
A vida é tao corrida que as vezes nem tenho tempo para ler nada!!!!!!!!!
Mas cada vez que te visito encanto-me com a tua ( nossa ) poesia.........
Obrigada pela partilha!!!!!!!!!!